Casamento na praia em Portugal

Casamento-na-praia-capa Casamento na praia em Portugal
Actualmente, cada vez mais casais optam pelo casamento civil em vez do religioso.
Há alguns anos, um casamento de registo, era algo muito seco e despojado de emotividade, semelhante à cerimónia de assinatura da escritura de um imóvel, hoje a situação mudou. A maioria dos conservadores têm consciência de como podem influenciar o «sabor» de um dos momentos mais importantes da vida das pessoas. Os casamentos realizados fora da conservatória e do horário de expediente tornaram-se comuns.
É possível fazer-se um casamento civil sem perder todo o romantismo associado ao casamento, uma das opções mais românticas e que tem vindo a conquistar muitos casais é casar na praia. 
A melhor altura do dia para celebrar o casamento é de manhã para estar mais fresco ou ao pôr do sol, pois já existem poucos banhistas na praia.

Aqui ficam algumas sugestões de locais onde poderão realizar a cerimónia e festejar este dia mágico da melhor forma.

Vila do Conde: SET LOUNGE BEACH WEDDINGS 

Porto: PRAIA DA LUZ

Ovar: FURADOURO BOUTIQUE BEACH & SPA 

Figueira da Foz: CASA DA PRAIA
Figueira da Foz: QUINTA DA SALMANHA 

Lourinhã: NOIVA DO MAR

Costa da Caparica: HULAHULA BEACH 
Costa da Caparica: PÉ NÚ BEACH CLUB 
Costa da Caparica: AQUA DI MAR
Costa da Caparica: BORDA D´AGUA 
Costa da Caparica: KONTIKI BEACH BAR 
Costa da Caparica: CASABLANCA BEACH LOUNGE 

Samouco: QUINTA DO MOINHO PRAIA 

Setúbal: BICHO D´AGUA 
Setúbal: UTOPIA BEACH CLUB 
Setúbal: BAMBU BAR
Setúbal: SUNSET CLUB S. JOÃO 

Comporta: COMPORTA CAFÉ

Loulé: RESTAURANTE PRAYA OU WAVES 

You may also like

2 comentários

  1. Eu casei no Pé Nú e esta foi a minha experiencia:

    Nós queríamos casar-nos na praia, uma cerimónia bonita mas muito informal, onde os convidados circulam, convivem e se divertem. Queríamos um churrasco e buffet e não a típica boda em que os convidados passam a maioria do tempo sentados à mesa, à espera de serem servidos vários pratos.

    Como não vivemos em Portugal, a minha mãe fez a primeira visita a vários restaurantes e bares de praia, de Leiria ao Alentejo.
    Das várias visitas, de longe a mais complicada foi a visita ao Pé Nú. 
    Os meus pais começaram por explicar o que queríamos. A minha mãe disse que gostámos muito do facto de eles terem o menu churrasco, ao que o dono respondeu que a minha mãe não tinha noção do que os convidados querem, que ninguém quer churrasco e que as pessoas querem ser servidas à mesa. Ora, primeiro, nós sabemos o que queremos e conhecemos, de longe, melhor os nossos convidados que ele. E segundo, se ele tem uma opinião tão forte sobre o assunto, porque é que oferece a opção?
    Continuando, a minha mãe perguntou quanto custaria extra ter morangos, uma vez que o menu não incluía fruta. A resposta foi um valor irreal, mas a minha mãe não comentou. Numa segunda conversa posterior, ao efectuar a mesma pergunta (sem mencionar a conversa anterior), o valor foi muito mais realista, o que dá a entender que a intenção da primeira resposta era provocar.
    De seguida a minha mãe informou que, caso optássemos pelo Pé Nu, gostaríamos de trazer o nosso próprio bolo de casamento e a nossa decoração. Em todos os outros locais que a minha mãe visitou, ao informar que não iríamos precisar do bolo, foi sempre oferecido algo em troca como uma mesa de queijos ou um doce extra. No Pé Nú a minha mãe recebeu apenas um ok.
    Em relação à decoração, o dono disse que tinha receio de que a nossa decoração, caso aparecesse nas redes sociais, desse mau nome ao restaurante. Não é algo muito simpático de se dizer. Nós queríamos um casamento de praia, o que significa que queríamos um tema de praia para a decoração (estrelas do mar, conchas, madeira rustica, etc). A decoração do Pé Nú era composta por um candelabro de prata, um marcador de pratos dourado, um naperon de renda e como centro uma planta num vaso. Por isso, na minha opinião, a nossa decoração, quanto muito, melhoraria a reputação do sítio. De qualquer forma, no final, o dono concordou em deixar-nos tratar da decoração (mais uma vez, à semelhança do bolo, algo incluído no preço mas sem nos ter sido feita qualquer contra-oferta como consideração).

    A atitude do dono do Pé Nú era tal que, na segunda visita, fez inclusive a minha mãe chorar. De notar que a minha mãe é daquelas pessoas de quem toda a gente gosta, que se esforça por agradar e que tem sempre um tom de voz baixo e carinhoso.
    Quando a minha mãe me contou, fiquei de rastos. Disse imediatamente que não me queria lá casar. 
    Mas depois vimos as fotos do sítio. E digo-vos, de todos os sítios que a minha mãe visitou, o Pé Nú era de longe o que mais se aproximava do que queríamos. Fica no topo de uma duna, pelo que do altar se tem uma vista linda da praia e do mar sem se ver muito dos banhistas. 
    Uma vez que é possível dividir o restaurante e fechar a entrada, foi possível termos verdadeira privacidade.
    A zona onde foi a cerimónia, tinha uma altar lindo e um banco de praia de madeira branca, mesmo como queríamos, e os convidados tinham os pés na areia, tal e qual como tínhamos imaginado.
    E tinha o menu churrasco, como queríamos, e o preço era dentro do nosso orçamento. Por isso decidimos arriscar. Toda a gente tem maus dias, pensámos. Talvez tenha sido um mal-entendido. Decidimos ignorar o acontecido e prosseguir com o Pé Nú.

    Aproxima-se a data do casamento e encontrámo-nos com o DJ. Um senhor simpático. Explicámos que a música era muito importante para nós e demos-lhe uma pen USB com as nossas músicas.

    Hotéis reservados, bilhetes de avião comprados pelos convidados. Tudo pronto para o casamento. Altura de pagar. O dono do restaurante envia um email com os detalhes para pagamento. A minha mãe verifica que o IVA não está bem calculado e que o número de convidados adultos e crianças não está correcto e pede se por favor pode verificar e enviar nova conta.
    Ele não responde. Em vez disso envia-me um email a mim a dizer que por motivos de ordem técnica o casamento estava cancelado. Isto aconteceu 4 dias antes do casamento. Uma falta de profissionalismo como nunca vi. Nem consigo descrever o que senti ao ler esse email. O coração caiu-me ao chão. Na altura, estava no Alentejo a tentar relaxar antes do casamento. Em retrospectiva é irónico. De imediato liguei ao dono do restaurante e a chorar implorei: “Não me pode fazer isso. Os convidados vêem de longe. Já tá tudo organizado. Por favor não me faça isto.” Ele acaba por concordar em fazer o casamento. Para tal, acabámos por pagar 2 adultos a mais (que tínhamos cancelado dentro do prazo) e pagámos 2 crianças como adultos. Concordei, que poderia fazer senão concordar, já só queria pôr tudo para detrás das costas e só queria que tudo corresse bem. De notar também que, após o pagamento, não recebemos nenhuma factura ou recibo.

    Chega o dia do casamento e devo dizer que estava super nervosa. Sempre ouvi dizer que as noivas ficam nervosas no dia do casamento. Mas a minha única causa de nervosismo era o restaurante. Eu só pedia por tudo que tudo corresse bem, que não fosse um desastre. Estava cheia de medo, devo confessar. Até ali tinham sido tantos os problemas com o restaurante, que eu já só esperava o pior.
    As pessoas que trataram da decoração chegaram, como acordado, 3 horas antes da cerimónia, mas foi-lhes negado acesso ao restaurante. Acabaram por só conseguir tratar da decoração tão em cima da hora que mal tiveram tempo de se arranjar e chegar a horas para a cerimónia.

    A cerimónia foi linda. Foi bonita e divertida. A Notária que nos casou foi espectacular. Foi perfeito!

    Após a cerimónia, o DJ pôs música mas não a música que lhe tínhamos dado. O meu irmão reparou e imediatamente foi verificar o que se passava, ao que ele respondeu que não tinha tido tempo de passar a música da nossa pen USB para o computador. Achei falta de profissionalismo e estragou um pouco o ambiente perfeito no momento mas estava tão feliz na altura, que ignorei. De qualquer forma, passado pouco tempo, o erro foi corrigido. E pelo lado positivo, devo dizer que os convidados se divertiram mais graças ao DJ. Ele realmente ajudou a animar os convidados, garantindo que não havia momentos aborrecidos. E estou agradecida pelo facto de ele me ter sugerido mudar o tipo de música a meio da noite para algo mais animado para os convidados. Obrigada por ter contribuido para uma noite espectacular para todos!

    Devo dizer também que, durante a cerimónia, por duas ocasiões diferentes, reparei que pessoas estranhas ao casamento, conhecidas do staff, entraram no espaço e obtiveram bebidas. Numa das vezes, inclusive, perguntei a um casal quem eram, ao que me responderam que eram amigos de um dos membros do staff. E devo dizer que, sendo a noiva, não estava propriamente focada no que o staff estava a fazer. Reparei apenas em 2 ocasiões. Não faço ideia de quantas mais houve.

    Em suma, apesar dos problemas, eu adorei o meu casamento, o meu marido também e os convidados também disseram que adoraram. Foi lindo, divertido, os convidados divertiram-se, foi descontraído, foi perfeito para nós.
    O Pé Nú é na minha opinião o sítio perfeito para um casamento na praia mas, para casar no Pé Nú, é precisa muita coragem, estar disposto a ultrapassar e lidar com muitos problemas e a fechar os olhos a várias coisas.

  2. boa tarde 🙂
    Adorei o seu testemunho, muito obrigada pela partilha aqui no blog. O seu testemunho será certamente uma boa referência para as noivas.
    Parabéns pelo casamento, desejo-lhe as maiores felicidades

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *